sábado, 15 de fevereiro de 2020

SEXO DEPOIS DO JOGUINHO DE FUTSAL

Que partida! Depois de virar o primeiro tempo perdendo por 3x0 o meu time ainda teve fôlego pra virar e ganhamos de 4x3! Eu era o novo goleiro do time e foi justamente em mim que a equipe caiu em cima no primeiro tempo. Porra, cara, deixa de ser viado e para de levar frango! Disse o Wilson, um negão malhado capitão do time. Eu escutei isso calado após o terceiro gol, mas no segundo tempo voltei mordido e agarrei todas as bolas. Depois do quarto gol, o Wilson veio correndo pra comemorar e abraçou todo o time. Quando chegou a minha vez eu senti o seu caralho duraço debaixo do calção. "cara, ganhamos!". No vestiário, todo mundo ria de satisfação. O Wilson, pelado no chuveiro, era o mais alegre e extrovertido. Eu fiquei na minha, mas a sensação daquele pauzão duro ainda estava martelando na minha cabeça. Distraído, nem percebi quando o Wilson chegou perto e deu uma palmada na minha bunda. "aí, foi mal naquela hora que te chamei de frangueiro! Porra, no segundo tempo você agarrou tudo! Os caras chegavam e você já segurava a bola!". O Wilson estava nu ao meu lado e os outros caras da equipe estavam perto dele e vieram me dar os parabéns. Alguns estavam pelados e me davam uma tapinha na cabeça ou nas costas. O Wilson, muito sacana, percebeu que eu estava excitado. Eu tentei disfarçar, mas era tarde. "galera, o nosso goleiro está com o pau duro! Será que é de tanto agarrar bola?". Os caras caíram na risada e eu fiquei vermelho como um pimentão. Não dava mesmo para disfarçar a minha ereção. O Wilson chegou pertinho e eu senti o seu hálito quente na minha orelha agarrou firme a minha bunda e sussurrou no meu ouvido: "sabia que a sua bunda é muito gostosa?". Ao ouvir isso, percebi que os outros caras estavam olhando, resolvi arriscar. Agarrei a sua piroca me ajoelhei e comecei a mamar na rola do Wilson até que ele gritou: Hoje vai ter foda, pessoal! Os outros jogadores já chegaram mais para perto e o Wilson cedeu a vaga e foi brincar como meu rabinho, ele enfiou um dedo, dois e depois três dedos no meu cuzinho. O Carlão, nosso atacante, dono de uma pica de jegue, veio por caralho na minha boca. "engole minha vara, putinha!". Carlão metia com força o cacete na minha boca. O Wilson ajeitou o pau na portinha do meu cu e foi forçando. Eu tentei reclamar que estava doendo, mas a vara do Carlão fincada na minha garganta me impedia de falar. Os outros jogadores estavam ao redor e falavam palavrões. "fode o viadinho que ele está gostando mete com força, arregaça essa bicha". "como o cara chupa gostoso, vem cá que eu tenho uma pica pra você, bichinha". O Daniel, nosso ponta-esquerda, chegou junto do Carlão e meteu seu pau na minha boca que teve que se abrir toda para aguentar dois paus ao mesmo tempo. O Wilson mandava ver no meu cuzinho, mas a galera já estava impaciente. O Wilson então tirou o cacete de uma vez. "ploft!". O pau saiu do meu cú e eu senti um friozinho na barriga. O Wilson organizou uma fila indiana pro pessoal me enrabar enquanto o Carlão e o daniel gozavam litros e litros de porra na minha boquinha. Dois caras gozando ao mesmo tempo na minha boca foi demais! O Vítor, zagueiro, foi o próximo a me foder e o fez com vontade. Eu inclinei o máximo que pude para facilitar as estocadas do pau do Vítor. O nosso meio-campo júnior, um loirinho bem gostoso, já meteu a vara na minha boca e eu mamei aquela tora como se mama uma mamadeira. Nisso, o Vítor gozou no meu cú e eu recebi mais litros de porra quentinha dessa vez no meu rabinho. O Wilson afastou o júnior um pouquinho e pediu para o nosso zagueiro, o Ricardão, outro negão com a pica enorme, se deitar numa das esteiras do vestiário com a pica virada pra cima. Eu prontamente me sentei naquela jeba. "aí, tá me rasgando! Tira um pouco que tá doendo!". "tá doendo, viado? Pois vai doer ainda mais! ”, disse o Wilson que se ajeitou atrás de mim e foi aninhando seu cacetão no meu cuzinho já arregaçado pelo caralhão do Ricardão. Duas picas me fodiam ao mesmo tempo!
"ploc! Ploc! Ploc!". O barulho dos dois negões metendo no meu cú me deixava louco. O Erasmo e o João, nossa meia-zaga, vieram pela frente e meteram os dois cacetes na minha boca ao mesmo tempo. "engole, sua puta! Não era isso que você queria? Então toma!". Eu era fodido por quatro caralhos ao mesmo tempo, dois no rabo e dois na garganta! O Wilson e o Ricardão metiam com tanta força que eu gozei na barriga do Ricardão de tanto tesão! O Erasmo e o João soltaram litros e mais litros de leite quentinho na minha boca e eu engoli tudo! "quero mais, quero mais porra, quero mais cacete!". O Luiz e o henrique, um zagueiro e um atacante, vieram pela frente e tomaram o lugar do Erasmo e do João. Que delícia sentir aqueles dois paus dos caras na minha garganta! O Wilson gozou no meu cú e eu senti mais litros de porra dentro de mim. Rapidamente o Vítor assumiu o seu lugar e começou a martelar o meu cuzinho arregaçado. Aí o Ricardão que estava por baixo gozou um rio de porra. Foi a vez do João meter o seu cacetão cabeludo no meu cú. O henrique gozou na minha boca e eu engoli toda a porra. Cara, eu fui comido por 10 caralhos, chupei os 10 e fui comido pelos 10, sofri com 4 dps e 2 tps no rabo e pelo menos 5 dps na boca! No final mamei todas as varas até os caras gozarem e tomar todo leitinho deixei o Wilson por último para fechar com chave de ouro! Saí do vestiário completamente arregaçado, com o meu cuzinho todo machucado e minha mandíbula dolorida, mas feliz! Não vejo a hora de repetir essa experiência com mais machos!

SEXO E FUTEBOL, TREOEI MUITO

*ADORO FUTEBOL*
Adoro jogar bola, porém os caras não sabem das minhas preferências sexuais, em campo mantenho minha postura e tenho respeito da galera, seguro bem a onda, tanto que evito até o vestiário para não ser flagrado secando os caras tomando e saindo do banho. Porém dia desses disputei uma partida com um sujeito que aqui vou chamar de Marcílio, o cara é muito bonito: loirinho, cabelos curtos, dentes perfeitos, olhos verdes, corpo legal, alto, peludo e com um belo par de coxas e é cínico e debochado e nos últimos tempos como tem deixado a barba por fazer está com cara mais de homem. Mas é um mala, briga durante a partida com os parceiros, pensa que é melhor que Kaká, Ronaldinho Gaúcho e Zidane e sempre arruma uma confusão. Ficamos em times opostos e como já falei procuro jogar sério, não sou o melhor mas não deixo ninguém levar onda comigo e o cara durante a partida veio na provocação, na zoeira, durante um lance dei uma solada mais forte e o tempo fechou. Ele ficou todo nervosinho (como de hábito) e partiu pros xingamentos, respondi e a turma interveio para evitar o pior. Para acalmar saí do jogo e fui tomar umas cervejas. Com o final do jogo a turma começou a se despedir para ir embora, decidi ir no vestiário tomar um banho e relaxar um pouco. Logo percebi que alguém também estava tomando banho, fiquei gelado quando percebi o dorso do Marcílio. Fiquei maluco com a água caindo nele, a bundinha branquinha. Fiquei cheio de tesão. Minha paralisia fez o sujeito perceber minha presença, ele se virou e fiquei sem jeito, balbuciando um pedido de desculpa. O cara nem deu bola. Mas em vez de sair dali fiquei parado e ele se ligou no lance. Quando se virou já com cara de poucos amigos, vi seu nu frontal. Fiquei maravilhado com a piça. Mesmo meio mole, percebi que era grande e aquela cabeça vermelha parecia me hipnotizar. Claro que ele logo sacou e abriu então um sorriso cínico perguntando se eu tava querendo ajudá-lo a tomar banho. Foi minha felicidade, não poderia recusar o convite. Fui me aproximando aos poucos e tirando a camiseta e calção suados para entrar na água. Tirei das mãos dele o sabonete e passei pelo tórax dele, rimos, toquei meus lábios no dele e trocamos um beijo maravilhoso. Fui descendo aos poucos explorando seu corpo com a boca, o peito cabeludo e cheiroso, os mamilos, abaixei e então cheguei aonde queria: naquele pinto grande e grosso. O bicho tava tão duro que a chapeleta estava empinada, a toquei com a boca e fui enfiando aos poucos. Quase engasguei quando ele empurrou minha cabeça fazendo engolir toda a jeba e dizendo que assim que gostava que suas putas lhe chupassem. Paguei um boquete gostoso e ainda chupei os bagos do macho que mandou eu parar porque ainda me daria o que eu merecia pelo lance do jogo. Ele me ergueu e foi a vez dele se abaixar e tocar com a boca meu pau (que não é tão grande quanto dele mas é grosso), ele chupou legal e eu quase esporei. Mas ele tinha outros planos, mandou eu encostar contra a parede. Que delícia, teria minha recompensa. Foi abrindo minhas nádegas dizendo que ali já havia entrado muita rola. Quando dei por mim senti sua língua áspera no meu anelzinho que piscava de tanto tesão. Senti depois um dedo laceando o buraco. Senti sua boca no meu ouvido dizendo para eu relaxar e que ele adorava um cu. Fui a loucura e mesmo sem um preservativo naquele momento permiti que ele me penetrasse. O macho encostou a cabeça da rola no meu rego e passou a esfregar e eu enlouqueci pedindo para ser penetrado, para ser a puta dele. Finalmente tive minha recompensa quando ele deu um empurrão e a cabeçorra foi entrando em mim. A dor foi lacinante e eu pedi para ele parar. O cara riu e falou que eu teria o que merecia e passou a enfiar devagar e fundo. Fui sentindo prazer aos poucos quando me acostumei com o tamanho do caralho e passei a sentir prazer com as estocadas firmes . Ele me chamava de negão viado e eu não tava nem aí. Soltei gritinhos e rebolei naquele pinto grande e grosso. Levei tapas no lombo e passei a me masturbar enquanto ele me comia com firmeza. Gozamos quase juntos. Ele ainda me elogiu dizendo que meu rabinho era melhor que o da noiva dele que não gostava muito de liberar para ele. Fiquei feliz e para completar ajudei ele a limpar o caralho e tomei uma esguichada do leite do macho no rosto. A partir de então minha marcação homem a homem em cima dele ficou muito mais deliciosa...

LUA DE MEL E SEXO COM AMIGO DO TRABALHO

*Lua de mel com amigo do trabalho*

Sou casado a mais dez anos e tenho 38 e sou representante comercial em um laboratório farmacêutico.

Como já estou casado a muito tempo, a vida sexual também não é lá essas coisas, é uma por semana no muito, agora quando saimos com os nossos amigos até voltamos mais animadinhos eu e minha mulher e pode rolar também.

Lá no laboratório tenho muitos colegas de trabalho, as vezes ficamos mais próximos. Quando enchemos o saco alguns pedem transferencia e vão para outras unidades.

A cinco anos atrás foi contratado um camarada chamado Romulo, um cara muito espirituoso, inteligente, pinta e muito simpático.

Ele foi um dos que não ficou na nossa unidade. Voltamos a encontrar nos treinamentos e avaliações que passamos semestralmente aqui na multi.

Eu venho me dando bem ao longo dos anos por aqui, já sou até chefe adjunto, embora não mande nada, mas tenho lá alguns privilégios.

Estamos nos preparando para lançar no mercado alguns produtos novos, quando isso acontece tem um esforço de todos.

Nos dividimos e vamos para todos os grotões do interior do Estado.

Este trabalho é feito em duplas e eu como chefe posso escolher quem vai viajar comigo.

Nos meus encontros atuais com este amigo Romulo, ele me andou contanto sobre sua vida afetiva.

Filho pequeno no interior e se separando da atual mulher e já tem uma amante.

Rimos, porque ele faz tudo ficar engraçado, mesmo sendo trágico.

Ele é muito sedutor e faz maior sucesso com a mulherada do laboratório. Ele é um moreno de corpão, deve ter 1,78m e pesar 76kg, corpo atletico, cabelos pretos e 36 anos. Tem um olhar penetrante, uma boca carnuda e um queixo quadrado. Anda muito bem vestido, de calça e camisa social.

Agora, eu sou bem normalzão, quase sem graça nenhuma, sou magro, peso 74kg, tenho 1,81m, branco, calvo e cabelos pretos e lisos e poucos pelos, uma pequena barriguinha, faço caminhadas 3 vezes por semana e já me dou por satisfeito.

A temporada de viagens é muito apertada, pois ficamos no mínimo duas semanas longe de casa, visitamos todos médicos, clinicas, unidades rurais e medicos de programa de familia.

Na segunda feira, pegamos o carro eu e o Romulo, colocamos nossas malas e todas as amostras gratis que iriamos trabalhar e fomos pra uma cidade polo que fica a 8 horas de carro.

Ele ficava com uma conversa sedutora comigo o tempo todo, perguntei tá treinando chavecar comigo, é isso?

Ele respondia ,nada, tô querendo é te comer mesmo...e assim foi , muitas piadinhas e brincadeiras durante a viagem.

Na primeira parada para mijar ele foi do meu lado do coxo e ficou exibindo o pinto pra mim e falando palhaçada.

Agora, não é que a pistola do cara é bonita mesmo, morena, cabeça roxa bem formada e grossa.

Continuamos e chegamos por volta das 16 horas e conseguimos atender 2 medicos, sendo o último na casa dele já no inicio da noite.

Depois fomos pro hotel, tomarmos banho, ele já foi logo ficando peladão, ai eu vi aquele corpão todo, pelos nas pernas e peito, ombros largos, peitoral peludo de fios lisos e pretos, coxas grossas, uma bunda que deve dar inveja num tantão de mulheres e aquele piru, grosso, bonito, imponente.

Fiquei incomodado com aquele homem nu na minha frente fui pro banho, sem entender direito o que passava na minha cabeça, misto de medo e tesão.

Sempre tive uma curiosidade nas historias sexuais dos amigos, gosto de ouvir, mas nunca tive nenhuma experiencia sexual com alguém do mesmo sexo.

Quando sai da ducha o viado tava ainda de cueca na cama e com a mão dentro da cueca, quando tirou tava visivel o volume, falei, vamos lá rapaz, senão não acharemos nada...ele respondeu: sei de uma churrascaria logo ali na esquina.

Fomos lá, tomamos umas cervejinhas e não demoramos muito para retormarmos pro quarto, porque estavamos muito cansado.

Mas isso, não impediu que ele fizesse uma das suas palhaçadas e a brincadeira que queria me comer.

No dia seguinte conseguimos muitas visitas , acabamos até um pouco mais cedo, fomos pro hotel, tomar banho e depois ir jantar.

Resolvi ficar pelado também desta vez e ele fez uma brincadeira, falando da minha bunda branquinha.

Brinquei também e falei, olha meu pau aqui , rapaz....que tem 17 cm quando duro, reto e cabeça rosada.

Fomos pra churrascaria que tava mais animada que na noite anterior e bebemos mais também que na noite passada.

A viagem transcorria bem e estavamos nos sentido bem, afinal também saimos da rotina da cidade grande , não é nada mal.

Retornamos pro quarto, na mesma hora da noite anterior, só que mais alegres e descansados , ligamos a tv e ele já foi ficando de cueca e deitou na cama ao lado da minha, que só era separadas por uma pequena mesa bem leve.

Ele falou que ia dormir peladão, perguntou o que eu achava, disse que eu dormia de cueca ou de short de pijamas.

Ele ficou insistindo no assunto pra eu dormir nu também, eu perguntei que papo de boiola é esse? e brincava com ele e o chamava de metrossexual.

Ele respondeu porque quero te comer, eu ri e respondi sem pensar, só se eu te comer primeiro, ele falou topo.

Falei que isso homem,? foi só brincadeira, somos macho, não vai rolar...não é que ele ficou peladão , já de pau duro, que quando vi, fiquei impressionado, com a beleza daquela ferramenta, grossa, calibrada e já vindo pra cima de mim.
Eu de cuecas , tentando acabar com aquela brincadeira , mas sem resultado, foi me abraçando e encostando aquele mastro em mim, eu de cuecas imóvel, sem reação, atônito e tonto.
Senti seu peito peludo me encostando, seus braços me enroscando e seu rosto roçando o meu.
Começou beijando meu pescoço, depois embaixo do maxilar e sua barba crescendo roçando também na minha face e seus lábios procurando os meus para beijar, tentei fugir, mas em vão.
Estava dominado pelo tesão homossexual irresistivel.
Meu pau duro dentro da cueca , começou a sair e encostar no dele, suas mãos começaram a se movimentar, passado na minha bunda, enfiando por dentro da minha cueca e começando abaixá-lá, pôs meu pau pra fora da cueca e espremeram um no outro.
Estava entregue, aos beijos, que me deixaram de pernas bambas, ao tesão de um cacete junto um do outro.
Ele foi me conduzindo pra minha cama, eu de costas pra cama, fui caindo com ele em cima, sem falarmos, só gemidos e tentativas em vão de não continuar naquela situação.
Me dei por vencido e acabei de descer minha cueca e o abracei forte também.
Ficamos atravessados na cama, com os pés no chão um bom tempo, só nos beijos, até que ele começou a morder meu pescoço e de repente, levantou meus braços e meteu a língua no meu sovaco, arrepiei, sua barba arranhando, meu suvaco...fiquei louco, com a maestria com que ele fazia as coisas.
Chupou meus mamilos, beijava minha barriga e eu só conseguia a gemer, meu pau tava melado como não ficava a muito tempo.
Mordiscou meu umbigo e depois cheirou meus pentelhos e meteu meu pau na boca...urrei, não aguentei, era um tesão demasiado parecia que ia gozar o tempo todo.
Ele chupou com calma, enérgico , mordia de leve o corpo do meu pau, passava a língua na cabeça suavimente, ele era um eximio profissional do sexo ...risos.
Levantou-se de cima de mim e levantou minha pernas, fiquei com meu rabo vunerável para aquele camarada, que meteu a língua no meu cu...gritei, ai, ai, ai...uma sensação que jamais tinha sentido, abria minha pernas e metia a língua lá dentro do meu cu.
Não tinha força pra muita coisa e o gozo não vinha, só a sensação inacabada do gozo imediato.
Depois disso tudo ele falou , faça agora comigo tudo que fiz com você...comecei lambendo seus peitos, passei a lingua com uma vontade louca, cheirei o subaco dele e achei o aroma muito bom, mordi debaixo do seus braços, lambia a lateral do seu corpão, cheguei na região da pistola, era como um imã, a cabeça da ceceta dele atraia minha boca.
Descontrolei quando meti minha boca naquele cacete, tinha um gosto delicioso, nem respirava direito, ele gemia também e ria junto aos gemidos.
Eu não queria tirar minha boca daquela pistolona, que soltava uma babinha oleosa e salgadinha e eu engolia tudo.
De repente ele , segurou minha cabeça e pediu pra parar. Parei. Ele me puxou pra cima da cama e começamos a nos beijar de novo, isso trocando todos os fluidos que experimentamos um do outro.
Deitei em cima dele e seu pau foi para o meio das minhas pernas, era gostoso, quente, diferente, ter no meio das coxas uma pistola que não era a sua.
A sensação prolongada de gozo não passava, ele já dizia que estava em ponto de bala e disse que queria me enrabar.
Enfiando o dedos no meu cu e eu também procurando o cu dele. Nem acreditava que tava beijando o cara e ainda por cima com o dedo no cu dele.
Eu ainda sem confiar nele, disse que só se eu fosse primeiro, ele falou então, venha e me fode, quero dar pra você.
Perguntei você já fez isso antes , ele respondeu lógico, desarmei com a coragem e a sinceridade dele, eu bobalhão, nunca tive uma experiencia dessas.
Tomei a iniciativa e o coloquei de bruços, o qual ele aceitou plenamente, sem nenhuma resistencia e perguntou sabe o que fazer?...rindo, eu disse sim, ai lambi aquele cuzinho, da bunda masculina mais gostosa que eu conhecia.
Senti o cheiro do seu anus, os pelos de seu rabo na boca, era tudo novo para mim. Ele foi gemendo e dizendo, lambe mais, deixa bem molhado meu cu, vai...eu entendi , fiz o que ele pediu e levantei e mirei a cabeça do meu pau direto naquele cu.
Ainda sem acreditar, no que estava acontecendo, sentiu uma pressão na cabeça, que ainda estava longe da portinha.
A bunda era daquelas que o cuzinho ficava longe. Insisti e cheguei na portinha, ai que sensação maravilhosa, cutuquei mais, forcei mais e seus gemidos aumentaram e os meus também, pois estava passando da entrada, a cabeça do meu pau tava penetrando para onde parecia ser um paraiso do gozo.
Não resisti muito o gozo veio logo, não era uma ejaculação precose e sim uma explosão que estava guardada a muito tempo.
Quase desfaleci depois do gozo, sem que meu pau entrasse todo nele.
Sai de cima dele, ele virou passou a mão no rego e já me gozando, pô Alvaro esporrou na minha bunda...risos...eu ainda saindo daquele esta de extase. Ele foi falando que agora era a vez dele.
Deitou em cima de mim de frente e foi me beijando...depois abaixou de repente e levantou minha pernas, e lambeu meu cu novamente...
Deixou-o bem molhado e foi falando pra eu aguentar, foi me dizendo como deveria fazer, ficou com a cabeça da caceta apontada na portinha do meu cu, e pondo pressão...disse, força pra fora , fazia o que ele falava a cabeçona entrou na portinha...foi uma dor du caralho, pensei que fosse cagar todo...falei com ele pára, pára, pára...ele respondeu calma, segura a onda que passa, tô paradinho, sem fazer nenhum movimento...e tava mesmo, mas só que tinha uma pressão enorme querendo entrar no meu rabo.
Passou uns instante o tesão foi cedendo e ele conseguiu enviar mais...e junto os beijos, muito beijos, ele realmente tinha a manha. Quando vi, estava totalmente envolvido por ele, seus braços que passanvam por baixo dos meus, sua boca junto da minha e seu pau todo dentro de mim.
Começou os movimento bem devagar, sentia aquele atrito forte do seu cacete dentro do meu cu, só gemidos abafados pelos beijos, até que ele começa a gritar meu nome, repetindo ah, Alvaro , ah Alvaro ...e da aquela última estocada, liberando toda sua porra dentro do meu cu.
Começamos a desfazer a posição que estavamos, ficamos ainda mais um tempo encostados e deitados na mesma cama.
Ele me fez um carinho e mudou de cama, levantei e fui pro chuveiro, fiquei só pensando naquilo tudo que tinha rolado.
Quando sai do chuveiro ele já estava dormindo, tranquilo.
Acordamos pela manhã e ele foi me dando bom dia e tentando ser carinhoso comigo, aceitei o carinho. Me pareceu que ele estava bem, sem muito pudor com o acontecido. Começou tirando sarro da minha cara, falando que alguém tinha perdido o cabacinho pra ele...não tive como ficar puto, o cara era muito do bem, vi que queria me confortar...sabia que poderia estar passando por um momento dificil, afinal.
Trabalhamos normal, eu confesso que estava um pouco aéreo ainda, ele procurou cobrir qualquer vacilo que eu dava.
Me deixava bem seguro, quis dirigir a maior parte do tempo, me deixava a vontade.
Chegamos a noite no quarto para o banho, eu tava com muito medo, não sabia o que poderia acontecer.
Ele chegou pra mim e me abraçou, falou no meu ouvido, cara, te curto demais...vi que não escaparia de novos acontecimentos, porque logo logo acendeu meu tesão.
Falou vamos tomar banho juntos, foi me puxando para o box, abriu o chuveiro e deixou a água cair sobre mim, começou me dando um banho, tava extremamente gentil, passou xampu nos meus cabelos, de uma forma muito carinhosa, depois foi pegando o sabonete e passando por todo meu corpo e passando a mão e massageando minha costas, braços e pernas.
Lavou meu pau e bolas com muito cuidado, tava ficando excitado, depois passou a mão no meu rêgo e meteu o dedo no meu rêgo, passando sabonete no meu cuzinho e eu deixei, ele fazer o que queria, me senti como uma criança.
Me beijou, abracei-o durante o beijo, nossos paus juntos e a água caindo sobre nós.
Acabou o banho, os dois sem gozar, vestimos nossas roupas e fomos pra uma pizzaria, comemos e voltamos pro quarto.
Chegamos ja na porta ele pondo a mão nos meus ombros, num gesto de carinho e disse, vamos dormir juntos.
Removemos a mesinha , juntamos as camas, ligamos a tv , tiramos as roupas e nos abraçamos e beijamos.
Reconheci que estava gostando muito daquela situação, nem imaginava quanto. Sentia também um pouco de culpa, mas o tesão a removia.
Tivemos que combinar uma folga pra ele me comer naquela mesma noite, disse que tava um pouco dolorido, mas que queria comer ele...ele concordou e disse te como pela manhã, pode ser? Não tinha como recusar a proposta e o comi gostoso de novo e depois o mamei até ele gozar em recompensa.
Logo cedo ele já veio me cutucando, me beijando e dizendo que tava morrendo de tesão, que pela manhã é quando tinha mais tesão.
Eu ainda tava com sono, ele deitou em cima de mim, amaciou meu cuzinho e me penetrou.
Passamos toda a viagem nesta situação, na segunda semana ficou ainda mais confortavel porque mudamos de cidade e o hotel que ficamos tinha uma cama de casal e outra de solteiro. Sem duvida que ocupamos a de casal.
Metemos todas as noites, sendo que eu o comia mais de noite e ele me comia pela manhã.
Foi como uma lua de mel.

SEXO COM O PEDREIRO

*O pedreiro*

Outro dia meu, pai decidiu fazer uma reforma na casa enquanto ia viajar com a minha mãe, eu não tinha onde ficar por isso fiquei supervisionando a obra. Eu iria dormir na casa com o pedreiro que morava num interior e não podia ir e vir todos os dia, ele ficou no quarto de empregada e eu fiquei na sala, já que os quartos foram os primeiros a serem reformados. Eu tive muita sorte. O pedreiro era super gostoso. Bom, no primeiro dia de obra tudo correu normalmente ele reformando os quartos e conversando comigo sobre a vida dele, essas coisas, almoçamos perguntei se ele queria ajuda, ele disse que não precisava, mesmo assim me ofereci para ajudar, disse que ia trocar de roupa, botei um short folgado, que deixasse minha bunda bem à mostra, e uma camiseta. Não deixei ele perceber que eu era gay, até porque não queria que nada chegasse aos ouvidos dos meu pais e alem do mais sou de menor, 17 anos. Percebi que de vez em quando ele dava umas olhadas furtivas para minha bunda, enquanto isso o papo rolava solto. Quando chegou à noite ele disse que ia dormir que estava muito cansado , eu também estava, mas deixaria ele dormir primeiro. O tempo passou e eu nem me liguei, estava assistindo televisão quando escutei ele roncando. “É agora”, pensei. Fui andando até o quarto de empregada e no meio do caminho bati em umas panelas que estava na entrar do quarto, o barulho foi enorme, mas apesar disso ele continuou dormindo, o cara tinha um sono muito pesado. Entrei no quarto e vi aquela escultura humana deitada na cama, que músculos e que volume no meio das suas pernas. Fui me aproximando, de vagar que ele não acordasse, me ajoelhei aos pés da cama, ele continuava roncando, e fiquei uns minutos admirando aquele corpo. Finalmente criei coragem e fui aproximando minha mão do seu pau, ele estava só de cueca. Ele continuava roncando, pousei a minha mão no seu pau, que sensação gostosa, já tinha feito aquilo, mas aquela tinha um sabor especial, ele continuou roncando, deixei a minha mão por alguns segundos e comecei a apalpar, nosssssssssaaaaaaaa, que macia.

Ele não acordou, então puxei um pouco para baixo a sua cueca, que deixou aparecer aquele pedaço de carne flácido. Fiquei admirando por um tempo, e então peguei o seu pau e comecei a punheta-lo de leve, ele não acordava de jeito nenhum. Aos poucos seu pau foi tomando vida e engrossando e ficando cada vez mais bonito. Decidi chupar, mas fiquei com um pouco de medo que ele acordasse, mas fiz mesmo assim. Fui chegando perto e botei na boca, uau, passei a língua na cabeça e fiquei fazendo movimentos de vai e vem com a cabeça, que delicia, que rola suculenta. Ele continuava roncando ou fingindo, porque se para mim estava bom para ele deveria estava melhor. Parei antes que ele gozasse e acordasse. Voltei para a sala e bati umas pensando ainda no gosto daquela rola na minha boca. Adormeci e acordei pela manhã com o barulho da obra. Entrei no quarto e o vi só de short, quase pulei em cima dele pra dar outra mamada, quando ele me viu deu um sorriso e continuou, perguntei se ele já tinha comido e ele dissse que pegou uns pães que estavam em cima da mesa. Voltei para sala e e fiquei assistindo TV, passai o dia assim, mal COI, só esperando chegar a noite. E finalmente ela chegou, ele mais uma vez foi dormir dizendo que estava muito cansado e eu esperei mais um tempo ate ir ao quatro dele. Quando eu cheguei la, ele estava roncando e esparramado na cama com aquele corpo sarado e gostoso. Fui sem cerimônia a sua rola, abaixando logo a cueca e punhetando, começou a engrossar, eu botei na boca, nem pareci que já havia feito aquilo, porque fui com tanta cede ao porte, ele continuou roçando e eu já nem me preocupava. Comecei a fazer movimento de vai e vem com a cabeça e passar a língua na cabeça da rola, até que eu senti algo me puxando pelos cabelos, quando percebi estava cara a cara com ele. Ele ficou me encarando por um tempo até que falou:

“Ta gostando veadinho? Então continua.

E abaixou a minha cabeça até a sua rola novamente. Porra, não acreditava que ele tinha acordado, não acreditava que ele estava gostando, mas já que era assim decidi continuar.

Agora o que eu ouvi não era mais ronco e sim gemidos: “vai veadinho chupa essa rola, chupa?” Caralho isso me dava muito tesão, comecei a chupar com mais ganância e ele disse: “para que eu vou gozar”

Ele disse que queria comer meu cu, fiquei com um pouco de medo por que nunca tinha dado a bunda e com aquela jeba. Eu disse que nunca tinha dado e ele falou, “melhor ainda que o cuzinho é virgem. Resolvi ceder, não deveria ser tão ruim assim. Ele me botou de quatro e começou a lamber meu cu, senti um calafrio subindo pelo meu corpo. Então ele encostou a cabeça de sua rola na entrada do meu cu. Só encostou e falou dando uma mordida na minha orelha: “prepare-se, veadinho”. E colocou tudo de uma vez, senti uma dor tão forte e quis sair, mas ele me segurou. Eu podia sentir cada centímetro de sua rola dentro de mim, ele começou a entra e sair sem tirar a rola de dentro. AI, estava começando a ficar gostoso e eu já tava até rebolando e gemendo, ele começou a estocar mais forte e mais rápido. Eu gemia feito uma cachorra, e ele metia até o ultimo centímetro, que delicia de rola, nunca imaginei que dar o cu fosse tão bom.

Eu não parava de gemer, e gemia alto até que ele disse que ia gozar e começou a meter mais rápido e eu comecei a rebolar, até que ele gozou, eu senti aqueles jatos dentro de mim. Ele parou e se deitou sobre mim com a rola ainda dentro, ofegante. Adormecemos ali, ele com a rola dentro de mim e eu realizando.

RASGANDO O CU DO CASADO

Rasgando o cu do casado – Contos
Sábado . Havia brigado feio com minha mulher por problemas domésticos. Saí na noite. Já se passava das oito, um calor insuportável. Eu estava com raiva, magoado (nos ofendemos muito), triste. Decidi que naquela noite eu iria extravasar meus desejos ocultos. Já estava com oito anos de casado e desde então jamais havia voltado a dar a bunda. Para não dizer que não fiz nada neste período de tempo, chupei um cara havia uns quatros anos atrás em uma viagem de trabalho que fiz. Mas dar a bunda como eu costumava dar quando solteiro, nunca mais depois do casamento. Mas naquela noite aquilo iria mudar. Eu estava disposto a dar meu cu. Eu sabia que iria doer, mas foda-se: ia dar o cu. Era questão apenas de encontrar um macho que valesse a pena.

Circulei pelo centro da cidade. Os bares lotados, os comerciantes de lojas arriando suas portas. Parei num bar e bebi duas cervejas, observando a movimentação de homens. Olhava para vários que me interessavam, mas não podia chegar encima, pois temia ser agredido. Saí do bar com uma cerveja latão na mão, bebendo sem parar. Andei a esmo pelo centro da cidade vendo aos poucos as ruas esvaziarem e continuando a beber. Lembrei de um local que um amigo meu havia comentado onde só dava viado e puta. Fui para lá. Me aproximei do local e realmente era verdade: viados para todos os lados e putas também. Não me aproximei muito, pois não era o que eu procurava. O que eu queria era um macho para me foder a bunda e não viados e piranhas. Sentei em uma mesinha de plástico de um barzinho “pé sujo” próximo. Pedi cerveja e um garçom feio pra caralho a trouxe. Fiquei bebendo e vendo o movimento das putas e dos viados. Havia um casal do outro lado numa mesa mortos de bêbados e de cochichos e risadinhas, mal notavam minha presença. Os funcionários do bar eram apenas o garçom feio e um senhor que provavelmente era o dono. Eles estavam no interior do bar. Ah, já ia esquecendo: havia no bar uma porra dessas máquinas de música que tocam tão alto que chegam a ensurdecer a pessoa. Tocava um pagode. Fiquei uns quinze minutos ali até que de repente eu vi um cara se aproximar.

Caralho, mas era um senhor homem! Era branco, alto e forte todo troncudão, pernas grossas, braços fortes e peludos, era careca e estava com a barba por fazer. Usava uma camisa branca, calça jeans e um tênis. Percebi que ele usava um desses cordões grossos de prata que os machos andam usando atualmente. Ele não era malhado, mas também não era gordo; era forte. Percebi também que seus olhos eram claros. É óbvio que em meio a toda essa descrição que fiz não deixei de observar algo importantíssimo: o volume de pica. Para quem gosta de admirar um bom volume de pica como eu, digo que o volume desse cara era algo magnífico de se observar. Quem gosta de observar um volume de pica, sabe bem o que estou falando.

O cara passou por mim e eu senti o perfume masculino na hora. Sentou-se numa mesa ao lado, um pouco afastada da minha, de modo que ficou quase de frente para mim. Colocou sua carteira e seu maço de cigarros encima da mesa e pediu ao garçom feioso uma cerveja. A voz era grossa, de um verdadeiro macho. O cara me deu uma olhada rápida e eu também o olhei. Meu coração estava batendo forte. Eu estava excitadíssimo. Já passava da meia-noite. Ficamos um bom tempo ali e ele, além de beber, fumava o tempo todo. Comecei a notar que ele me olhava com mais frequência, mas também não poderia ser diferente, pois eu não tirava os olhos de cima dele. Eu já estava bêbado e estava perdendo a noção de minhas atitudes. De repente, do nada, o cara falou de sua mesa:

” – Chaga aí, brother!”
Eu tomei um susto com a palavra dirigida a mim sem que eu esperasse.
” – Eu?” _ perguntei quase sussurrando.
” –  Você mesmo, camarada. Chega aí!”
Bem… É lógico que minhas pernas tremeram, pois eu não sabia o que ele queria, mas ao mesmo tempo o tom de sua voz era amistoso. Levantei e fui até a mesa me sentando a seu lado.
” –  Satisfação!�

SEXO COM O PRESTADOR DE SERVIÇO

cuzinho
 ABRIL 28, 2019   15580 VIEWS
Sou prestador de serviços e encaminhado para atender empresas
Sou casado, com filhos…… bastante peludo
Em janeiro, fui prestar serviço em Campinas por 3 semanas
Embora receba ajuda de custos para ir de carro, optei por usar bus.
Iniciei trabalho numa segunda-feira e O rapaz que me acompanhava informou que na sexta-feira ele encerrava as atividades as 15h.
Pois bem, na sexta-feira, conforme avisado, encerramos atividades e usei o transporte da própria empresa até o trevo da para pegar bus para SP.
Junto comigo também desceu um rapaz negro usando calça de moletom vermelha
Enquanto aguardávamos o bus, trocamos assuntos banais….
Quando o bus p SP chegou, entramos e, como não tinha 2 assentos juntos,sentamos separados
Relaxei e a imagem do volume que aparecia no moletom dele me veio nos pensamentos
Já curti com alguns carinhas mas sempre ativo mas, confesso que, sinto maior tesão em ver pau grandão.
Dei uma cochilada, com pau babado, e fui despertado pela pessoa do lado, pedindo licença para descer.
Quando a pessoa saiu, sentei perto da janela. Em seguida, o rapaz negro sentou ao meu lado.
Voltamos a conversar e ele, ao falar, tocava no meu braço, perna…
Reparei que ele estava ficando com pau duro, o que me deixou no maior tesão.
Fiquei sabendo que a mulher dele era enfermeira e que trabalhava até as 22h
A medida que a conversa rolava, ele foi encostando a perna na minha e balançava.
Quando percebeu que eu estava de pau duro, perguntou se eu “curtia” homem.
Respondi que sim mas que era muito complicado. Assim como ele, eu também sou casado e com filhos, o que atrapalha encontros.
Ele deu risada e disse que sabia de tudo isso pois também viveu tudo isso mas que agora os filhos já estavam fora de casa.
Respondi que ele não aparentava ter filhos criados…. Ele respondeu q tinha 48 anos e que teve primeiro filho aos 18 anos……
Continuamos a conversar e ele convidou para ir até o ap dele. Da rodoviária seria fácil pegar metro e teríamos bastante tempo para conversarmos antes da mulher dele voltar para casa
Na hora fiquei em dúvida mas o tesão falou mais alto e concordei…..
Chegamos no ap dele e, mal trancou a porta, foi me dizendo que desde que meu viu no trevo tinha ficado no maior tesão pensando como seria gostoso ter esse Coroa brancão e peludo na cama dele.
Respondi que também tinha reparado nele principalmente por estar usando moletom vermelho e com um baita de volume a mostra.
Ele deu risada e disse que sabia que isso chamava a atenção das pessoas mas que ele precisava muito chupar um cara peludão.
Que tem muito tesão em se esfregar num cara branco coroa e peludo.
Já foi me abraçando e me alisando. Disse que me queria peladinho e suado na cama dele, que iria me lamber todinho.
Fomos para o quarto dele, ele ficou só de moletom e pediu para deixar que ele iria me despir inteiro.
Tirou meu sapato, depois a meia e começou a chupar meu pé. Nunca tinham feito isso em mim e achei delicioso
Depois de chupar os 2 pés, tirou minha camisa e beijava meu peito e chupava meus mamilos.
Eu já estava todo melado. Ele percebeu e disse que já iria cuidar disso
Tirou minha calça, minha cueca e lambeu toda baba que estava na cueca.
Disse que sentiria o maior prazer em me deixar só de cueca e morder meu pau e chupar meu saco mas que sabia ser complicado pois eu ficaria com cueca toda babada e Minha mulher iria perceber mas que iria pensar numa solução
Voltou a chupar meus pés, pernas,coxas,virilha, saco e pau. Uma delicia, o cara não parava de chupar
Chupou minha barriga, suvaco e perguntou se eu deixava ele cuspir em mim e chupar.
Nunca tinham feito isso comigo mas concordei. Ele cuspia no meu pau, no saco,barriga e sempre chupava tudo
O tesão tomou conta e eu comecei a gemer. Ele pedia para eu não parar, para me liberar e gemer gostoso pois iria me dar um trato que eu jamais esqueceria…..
Continuou cuspindo no meu saco e lambendo tudo…. levantou minhas pernas e mandou relaxar, começou a cuspir e lamber meu cuzinho….
Nunca tinham feito