segunda-feira, 4 de junho de 2018

ENFIM TRANSEI COM UM MACHÃO OPERÁRIO DO CORPO GOSTOSO



Eu já estava cansado desses machos rudes e brutos, eles só queriam ser chupados e gozar. Resolvi mudar de atitude, não tinha nada a perder mesmo, então na hora de chupar uma rola, já lambia o saco e aproveitava para passar a língua no cuzinho deles, foi aí que tudo mudou. Em pouco tempo ganhei uma fama de comedor. Mesmo sem acabamento mudei para a casa nova, era uma fase complicada, sem grana, tinha gasto muito na construção. Conheci o Cláudio, moreno,1,70 altura, 25 anos, mas dono de um corpo fora do comum, muito forte, barriga trincada, braços e costas com muitos músculos, desde jovem ele trabalhou numa fábrica de blocos, tinha acabado de separar da esposa e era pai de duas meninas. Eu tinha um barranco enorme para ser retirado, ele veio para fazer o serviço, trabalho com terra é muito pesado e a cada dia ele ficava maior ainda. Eu ficando louco de tesão por ele, mas ele não me dava oportunidade, ignorava minhas investidas. Certo dia numa sexta-feira a noite, bebi um pouco a mais, logo fiquei alto e fui dormir, na manhã seguinte Cláudio me acordou, com um copo de café, minha cabeça doía muito, ele me convenceu a tomar banho já que eu nem a roupa tinha tirado para dormir, ele me ajuda a tirar a roupa e me põe no chuveiro, vendo que eu não tava bem, ele pegou o sabonete e começou a me dar banho, eu já fui melhorando, mas fiquei na minha, ele lavando minha cabeça, costas, bunda, pernas, pés e minha rola tbm. Não deu para controlar fui ficando excitado, ele me tirou do banho e me ajudou a me enxugar. Como ele ficou todo molhado disse para tomar um banho tbm, eu voltei a deitar esperando ele sair do banho, um cochilo rápido , quando acordei ele tbm estava deitado do meu lado , completamente nu , pois suas roupas tbm estavam molhadas, lembrei do banho que ele me deu,e vendo aquele homem nu na minha cama,parti para o ataque,fui passando as mãos nas costas fortes dele , quando toquei na bunda dele ouvi um suave suspiro,ele estava acordado mas não dizia nada , comecei a beijar as costas dele é fui descendo para a bunda ,eu tbm nada disse ,abri bem a bunda dele e dei uma lambida quente e bem molhada naquele cu apertado. Ele não se mexia , não falava nada ,eu continuo no ataque , degustando aquele cu ,o segurei pelo quadril , minha língua não para,ele não restiu e deu uma leve arrebitada na bunda , que bunda firme , redonda , não grande mas uma delícia ,ponho a minha mão por baixo e sinto sua rola dura , não é grande mas bem grossa ,eu passei a lamber o cu e o saco dele e claro a rola tbm ,o safado começou a gemer , para facilitar a minha mão nos carinhos ele levantou mais ainda o quadril,era uma visão linda ,com o dedo comecei a brincar com o cuzinho dele , claro que ele estava gostando muito ,eu sentia leves tremores no corpo dele, com bastante dificuldade coloquei o segundo dedo dentro do cu apertado dele e fiquei ali brincando por um bom tempo , sem eu dizer uma única palavra ,abro as pernas dele ,e coloco a cabeça da minha rola na entrada do seu cu , fico pincelando , brincando , como ele não achou ruim , pego um creme e uma camisinha no criado mudo e comecei a forçar a entrada , não entra , está muito apertado ,sem pensar dou um tapa na bunda dele e digo pra ele relaxar , aproveito e coloco um travesseiro embaixo dele, mais creme e volto a forçar a entrada , quando a cabeça passou eu fui as nuvens , minha rola é toda grossa desde a cabeça até a base então continuei a entrar , que tesão , tão quente e tao apertado , ele continua sem falar nada ,mas tinha no rosto uma expressão de dor e tesão ,eu continuo a socar a rola nele , até sentir que está tudo dentro,com movimentos de entra e sai ,comecei a foder aquele cu, que delícia ,e quando não estava esperando sinto o cuzinho dele mordendo minha rola , o cara tava gozando levando rola no cu , não deu para segurar e gozei tbm. Depois vim a saber que eu tinha sido o primeiro, depois disso tivemos outras fodas maravilhosas

terça-feira, 29 de maio de 2018

DA ROÇA DE CAFÉ PARA CAMA COM O NEGÃO TONHÃO



Olá! Amigos... Esse é um texto completamente real, enviado para o ContosDeBanana e preferi não fazer alterações no texto para que ele fique ainda mais verdadeiro.

Conto do Tonhão

Meu nome é Felipe tenho 24 anos 183cm e 100kg sempre trabalhei em serviço pesado resultado disso n tenho uma corpo Atlético mais um pouco forte, e né um desse serviço eu conheci o Tonhão um morenão alto gostoso daquele igual de filme tipo galã de novela tinha uns 2m e uns 90kg corpo escultural todo gostoso.

Eu sou discreto e mto tímido converso mto pouco, mas com o Tonhão eu conversava direto pois nois trabalhava juntos passava mto tempo com ele, Tonhão e daqueles mineiro chucro vivia com a cara fechada n podia brincar com ele pois o bicho e ignorante, tenho até receio de conversar com ele, mas sempre ficar admirando ele sem ele ver.

Bom certo dia conversando com ele de boa coisas da vida e de repente me passa uma mulher feia perguntei pra ele se n teria coragem de ficar com a aquela mulher uma baixinha gordinha fraca de aparência ele me respondeu.

- pego até tu n teria coragem de ficar com ela. n hora n esperando essa resposta fiquei sem reação me calei por um estante dando o maior indício q eu era afim dele.

Passado uns dias ele me chamou pra ir na casa dele, aceitei e fui sem nenhuma má intenção, fui ate á lá ele fez um café ficamos conversando um bom tempo, e no meio da conversa ele se levantou e foi pro quarto eu achei q ele estava querendo q eu fosse embora e n queria fala, então eu me levantei fui em direção ao quarto fui na intenção de me despedir pra ir embora quando eu abro a porta vi a cena mais linda que meus olhos poderia ver aquele homem com um shorts tipo pijama bem fino e sem cueca por baixo q deixou em evidência sua rola ele fez um gesto pra q eu senta-se na cama eu demorei um pouco mais eu fui, n conseguia tira o olha da rola dele, ele puxou meu braço colocando minha mão em cima de sua rola comecei a alisar até ele ficar dura puxei o shorts e vi uma linda rola gigante com mais ou menos uns 18cm uma DLC de rola chupei mto e ele fazendo carinho em meu anel quase enfiando o dedo até q ele se levantou tirando minha roupa meu pau já estava mto melado como nunca tinha ficado antes tbm com um homem daquele, ele me coloco de quatro em cima da cama deu uma salivada no meu anel e no pau dele e enfiou sem do n hora eu sentir somente um incrível tesão tremia de tanto tesão, ele dava uma estocada com MTA força e falava besteira em meus ouvido me deixando com mais tesão ainda, me colocou na posição de frango assado ae fui a loucura vendo aquele pica entrando e saindo de mim, e o macho gigante metendo com força gosei sem colocar a mão no pau nunca tinha acontecido isso comigo vôo gala minha pra TD lado até na minha cara percebi q ele gostou e acelerou o movimento de vai e vem e com mais força até gozar e jogou mais gala na minha cara fiquei TD cheio de gala nois foi tomar banho e já fui aproveitar pra chupar mais ainda aquela rola estava meio molde meio dura uma DLC pra chupar até ficar completamente dura novamente e começar a meter de novo agora é baixo do chuveiro ele encheu meu rabao de leite terminamos o banho eu fui embora TD arrombado e mto feliz. Nois conversa até hj mais nunca mais o vi pois ele mudou de cidade.

quarta-feira, 9 de maio de 2018

BEIJO GAY EM NOVELA AINDA CAUSA ESPANTO?


Os atores Paulo Zulu e Eriberto Leão causaram nas redes sociais quando foi ao ar na novela O outro lado do paraíso mais um beijo gay nas novelas da TV Globo. Antigamente a agenda ainda contava, primeiro beijo gay das novelas, hoje a gente já até perdeu a conta, mas porque será que esse tipo de cena ainda causa tanto borburinho quando vai ao ar?

Deixe sua opinião nos comentários ou em nosso Instagram (clique aqui)

segunda-feira, 30 de abril de 2018

CAPITULO 2 | O REENCONTRO COM O PEÃO RÚSTICO - MAMADA NO CARRO



CAPITULO 2 | O REENCONTRO COM O PEÃO RÚSTICO
(Clique aqui e leia o Capitulo 1)

Saí do carro, ele me deixou naquela praça frio da região central de São Paulo, ainda não sei descrever como eu me sentia, não sei se fui usado, se me deixei usar, se estava fascinado por aquela situação, me sentei num banco e respirei um pouco, mas não dava pra pensar muito, estava esquisito e amanhã era dia de trabalho para o gato borralheiro. Segui pra casa, subi as escadas daquele velho prédio com o pensamento a mil por hora. Abri a porta e nem liguei pra toda aquela bagunça, conheci um cara delicioso, bruto, que me tratou mal, mas me deixou louco. Deitei e dormir com aquela roupa e o cheiro do motel.

Já era dia seguinte quando acordei e percebi que estava excitado, e o pensamento logo veio com o tal peão, estava sentindo a sensação de que ele estava pensando em mim, mas foi pior, olhei para o relógio e percebi que eu estava atrasado, um pobre plebeu apaixonado, cheio de contas e atrasado, me aprontei em poucos minutos, mal tomei banho e me vesti, já estava saindo de casa para pegar o ônibus. Corri e para minha sorte quando cheguei no ponto ele estava chegando. Fiquei em pé dentro daquele coletivo já apertado numa manhã de quarta-feira, mas nem me importava, meu pensamento era no meu peão, será que ele estava pensando em mim? Será que ele tinha gostado da noite anterior? Será que iriamos nos ver? Como ele não me deu seu numero só me restava torcer pra que ele estivesse lá no horário marcado, e será que eu iria? Ele foi tão bruto comigo.

Cheguei no trabalho, era sorriso pra todo lado, acho que foi o dia em que melhor tratei os clientes em todos aqueles anos que eu estava ali, dei bom dia, sugestões, terei todas as dúvidas que podia, mas o tempo não passava, já tinha atendido inúmeros clientes e meu chegou o meio-dia, a tarde então foi uma tortura, mas em fim, chegou as 18:00h e eu enfim pude sair. Corri para o banheiro do shopping, me aprontei, me perfumei e corri feito um louco para o local onde ele me deixou e disse que me encontraria.

Cheguei rápido, 18:20h já estava eu lá sentado na frente do shopping sem na verdade saber se ele iria aparecer, as pessoas passavam, alguns eu conhecia do trabalho, já estava envergonhado daquela situação, o tempo foi passando, chegou as 19:00h e nada do peão, passou mais 5 minutos e eu não saia de lá e nada dele, mais 10 minutos e nada dele, chegou 19:30h e nada, continuei sentando, já estava certo de que quem nasce pra plebeu, vai ser sempre plebeu. Quando de repente passa a moça que trabalhou comigo aquela tarde e pergunta:

- Ainda ai?

- Sim, esperando um amigo – Respondi eu morrendo de vergonha.

Ela olhou pra mim com uma cara de riso e descrença e completou seguindo em frente.

- Sei...

Aquilo me bateu no peito como um gele, quando de repente ouço uma buzina louca “Fomfom!”. Olhei pra o outro lado da pista, era ele o meu peão me chamando:

- Bora? Vamos? O senhor tá atrasado! – Disse ele mais uma vez com aquela voz de macho.

Sai atravessando a rua feito um louco com o coração saindo pela boca, já excitado, com a alegria de uma criança que ganha o melhor vídeo game do mundo, mas se eu não tinha ganho um jogo, a coisa que eu iria brincar era muito boa.

Entrei no carro e para meu delírio o cheiro de suor de macho invadiu minhas narinas, um super misto de homem trabalhador, cheiro de cavalos, de roça e aquele homem com a voz grossa hoje mais falante que na noite anterior me perguntando como foi meu dia e eu respondi que foi bom, que trabalhei muito, quando prestou melhor atenção, ele estava dirigindo pelas ruas de São Paulo, todo suado e sujo, abrindo o zíper da calça, um jeans velho revestindo um par de pernas grossas, quando salta um cacetão pra fora e ele de forma mandona ordena:

- Vem macho, cai de boca logo aqui que “tô” sem tempo!

O cara bruto estava de volta, ainda fui questionar.

- Mas aqui na rua. Alguém pode ver!

- Vem, chupa logo essa porra fresco! Caralho!

Completamente intimidado, mas tarado por aquela rola eu me pus a chupar, era grande, grossa, tinha cheiro de suor e urina, mas tinha bolas grandes e uma cabeça maravilhosa, preenchia toda minha boca. Mamava muito, passava a língua e ele me humilhando, me chamando de viado, de fresco, me mandando chupar mais, quando o carro parava em algum sinal ele empurrava minha cabeça com toda força pra engolir todo aquele cacete, aquilo me deixava sem ar, quando menos esperei ele segurou minha cabeça de vez e inundou minha boca de porra, tentei sair, tirar minha cabeça daquele chafariz de porra, mas ele era bem mais forte que eu, bruto, me obrigando a engolir tudo. Fiquei envergonhado, me recoloquei no banco me sentindo humilhado mais uma vez, sei lá, era estranho. Ele então seguiu com o carro para o mesmo lugar que me deixou na noite anterior sem dizer uma palavra, eu pensava que aquela seria a noite dos sonhos, mas o cara só me usou, me humilhou, ele então estacionou o carro.

- Foi muito bom cara, você tem uma boca maravilhosa, me dá teu numero de telefone ai!

Aquilo não foi um pedido, foi uma ordem, ainda pensei em dar o numero errado, afinal, criei toda expectativa para aquela noite e nem gozei, o cara não pensou em mim um minuto, mas não sei porque eu dei o numero correto e ele falou.

- Massa, quando eu tiver afim, eu te ligo!

Fiquei pasmo olhando pra ele, sem saber o que dizer e já fora do carro, vi ele saindo sem olhar pra trás como se tivesse deixado ali um estranho, uma prostituta que ele usou e estava ali descartando. Foi pra casa desolado, cansado, frustrado, com vontade de chorar. Cheguei em casa, tudo bagunçado, roupas jogadas, roupa suja pra lavar, a solidão, a cama e no dia seguinte, mas um dia de trabalho.

CONTINUA...

quarta-feira, 11 de abril de 2018

CONTO ERÓTICO COM CLÉO PIRES | HISTÓRIAS INSPIRADAS EM SUPOSTAS TRANSAS DA FAMOSA ATRIZ



Fui atiçado por um leitor do blog a escrever um conto erótico inspirado na atriz, e agora cantora que já foi Cléo Pires e agora é só Cléo. Famosa por suas entrevistas polêmicas falando sobre suas supostas realizações sexuais. Que tal transformarmos em realidade?  O que vocês acham? Vou ao trabalho, em breve aqui no blog Contos de Banana... www.contosdebanana.blogspot.com

Foto: Revista VIP