quinta-feira, 12 de setembro de 2019

SEXO COM O CASEIRO E MAIS DOIS AMIGOS



Depois que passei o fim de semana tomando rola do safado do Luiz, passei a semana inteira trabalhando e com sede de pica. Pelo celular, o Luiz me deixava informado sobre a casa e mandava mensagens bem safadas. Falei a ele que iria para a casa no sábado e que queria rola o fds inteiro novamente. Ele disse que meu pedido era uma ordem, mas queria saber se eu liberava ele para um futebol com os amigos no sábado de manhã e ele estaria de volta pelo meio dia. Brinquei dizendo que depois ele tinha que levar uns machos, e ele respondeu que faria o possível.

No sábado de manhã, quando cheguei à casa de praia, Luiz já tinha saído. Arrumei as compras, coloquei cervejas para gelar, fiquei nu, fui para a piscina e fiquei aproveitando o dia de sol. Passei a maior parte do tempo de pau duro babando só de lembrar da foda no fds anterior e já imaginando aquele cavalo me socando rola por dois dias.

Era mais de meio dia quando Luiz mandou mensagem dizendo que estava voltando e trazendo dois amigos do futebol, com muita cerveja. Ele enviou "Dá tempo de desistir, esses caras perdem o controle quando bebem", aquilo me deu um tesão louco. Respondi "Pois hj eu vou tomar três picas então". Luiz respondeu com um emoji safado e disse que em meia hora chegariam.

Eu corri em casa, tomei um banho, me higienizei, vesti uma cueca fio dental amarela e um short fino curto. Eles chegaram enquanto eu me vestia, quando saí dei de cara com meu deus africano Luiz, de calção de futebol vermelho, a piroca balançando sem cueca, e mais dois morenos, todos sem camisa e só de calção também. Um era o Carlão, o mais alto, corpo normal, barriga de chopp, calção branco transparecendo a sunga preta. O outro eles chamaram de Leo Zika, magro, várias tatuagens, vestindo calção preto. Quando Leo Zika coçou a mala percebi que estava sem cueca e o dote parecia bom. Cumprimentei todos, me apresentei e disse que a casa estava às ordens.

Luiz o tempo todo com um sorriso safado no rosto. Mandei ele ir com os caras para a piscina e guardar as cervejas no freezer, enquanto eu ia pegar umas comidas. Quando voltei para a piscina, já estavam todos bebendo, conversando e rindo alto. Falavam de futebol e da vitória deles, depois me perguntaram da minha vida e falaram da vida deles. Cerveja vai, cerveja vem, só percebi o Leo Zika o tempo todo apertando o pau, chegando a marcar o bicho que eu vi que era grosso. Luiz toda hora arranjava uma forma de roçar em mim com a mão ou o pau. Carlão já falava bastante bobagem quando então decidiu ficar de sunga, a mala chega pesava no tecido que, mesmo sendo preto, desenhava a rola do safado.

Carlão então anunciou que precisava mijar, e antes que eu dissesse onde era o banheiro, ele sacou o pau para fora e começou a mijar dentro da lata de cerveja. Enquanto os outros riam, eu admirava aquela pica preta de 17 cm, bem torta, com a cabeçona coberta de pele. O mijo saía forte, ele gemia de prazer. Quando ele terminou, botou a lata de mijo na mesa e falou que a gente podia beber. Leo Zika riu e empurrou o Carlão na piscina.

Carlão falou:

- Fdp, sua sorte é que essa água tá muito boa.

Eu disse ao Leo que ele também podia entrar, que tava liberado. Leo, como sempre, deu uma pegada no pau e falou que só tava com aquele short. Daí o Luiz disse:

- Entra nu, porra. Quer dizer, se o patrão deixar. Eu sei que eu posso.

Luiz sorriu pra mim com cara de sacana, abaixou o calção e ficou pelado. Minha pica explodiu instantaneamente para fora da cueca. Estava ali na minha frente aquela rola de 23 cm grossa maravilhosa e cabeçuda, meia bomba, naquele corpo musculoso gostoso, sem pelos, com um saco imenso cheio de leite para dar. Ele pulou na piscina, os caras riram e depois foi a vez do Leo Zika tirar o calção: as pernas finas dele só faziam realçar o tamanho da rola de 18 cm, que ficou dura na mesma hora, toda reta, grossa na base fina na ponta, parecia uma lança apontada para mim. Leo deu uma apertada e pulou na água.

Carlão apontou para mim e falou que só faltava eu. Falei que não estava vestido apropriadamente. Foi então que saíram os três da piscina e vieram me pegar. Leo Zika começou a puxar meu short e viu minha cueca fio dental.

- Caralho, o viado tá de calcinha! Tira o short dele porra!

Os três rasgaram o meu short e me deixaram sem ação, só com a cueca enfiada no meu cu e o pau duro saindo pela frente. Leo me virou de costas, me curvou na mesa e começou a alisar meu rabo:

- Pqp, Luiz! É esse rabo aqui que você fode? Nem divide com os parça.

Eu falei:

- Hoje ele vai dividir porque meu cu vai ser dos três.

Leo Zika deu dois tapas na minha bunda, apertou bem forte e falou.

- Caralho, vadia, hoje você vai receber três picas pretas nesse rabo.

Leo ajoelhou e começou a abrir e linguar meu rabo com muita vontade. Luiz e Carlão (já pelado) vieram pela frente e me botaram para chupar suas picas. Eu tava com tanto tesão que chegava a me engasgar com aquelas rolas, eu gemia a cada linguada do Leo no meu cu. Na frente, quando eu chupava um o outro batia na minha cara com a pica. Os safados urravam de tesão e me xingavam de vários nomes.

Luiz me botou de joelhos no chão e eu recebi as três picas na cara. Chupei bastante a lança do Leo, que era o mais escandaloso. Xingava e gemia bastante, me dando muito tapa.

- Chupa, sua cachorra! AI PORRA, ASSIM CARALHO! Vamo mijar nele!!

Leo e Luiz começaram a mijar no meu corpo todo, o Carlos abriu minha boca e mandou eu beber o dele. Engoli todinho aquele mijo quente do Carlão, a cabeça da pica dele tava na minha garganta.

- Agora é hora de revezar esse cu! - disse o Leo. - Luiz, você vai ser o último. A puta é sua, mas as visitas comem primeiro.

Adorei aquele macho me disputando. Eu estava louco para saborear as picas deles com o cu. Leo tirou minha cueca, me colocou de 4 e lambeu mais meu cu. Falei que tinha lubrificante em casa mas ele queria no cuspe.

- Eu sei que esse rabo aguenta. Toma minha pica, toma.

O macho começou a empurrar a pica com força, eu gritava, mas ele só parou quando estava toda dentro. Meu cu tava atolado, uma dor muito forte. E aí Leo começou a socar com fome e sem pena, até que meu cu acostumou. Comecei a chupar os outros dois e eles foram revezando. Carlão era uma máquina metendo e ficava a ponto de gozar sempre que metia. Luiz era o cavalo que arrombou meu cu e tornou a arrombar, era o melhor, a maior pica e com a melhor performance, alternava bem a velocidade da metida.

Depois sentei em cada um, aquelas picas alcançando o fundo do meu cu de tão grandes. Depois que sentei nos três, o Leo me botou de frango, abriu meu cu e meteu. Assim fizeram os outros também. Até que o Leo abriu meu cu e começou a meter os dedos, mostrando para os outros.

- Acho que já cabe duas picas nesse cu, tá relaxadinho, olha.

Fiquei com medo e achei melhor não. Leo me deu um tapa e falou:

- Esse cu é nosso hoje, porra. A gente vai te arregaçar.

Meu tesão então voltou todo de novo. Leo deitou, eu sentei na rola dele, deitei por cima dele e abri bem meu rabo para o Carlão meter a dele também. Foi difícil e apertado, mas depois muito forçar entrou. Era um misto de dor e muito prazer. Meu cu estava todo tapado de pica. Eles metiam gostoso e eu gemia de tesão, imaginando também aquelas picas se esfregando dentro do meu cu. Quando foi a vez do Luiz junto com Leo eu vi estrelas, meu corpo relaxou de vez e eu nem conseguia gritar. Eles metiam gemendo, gritando e xingando. Só senti o tesão correr forte, virei os olhos e gozei, gozei muito, uns seis jatos bem fartos. Carlão gritou:

-Caralho, o viado gozou com vontade!

Eles me botaram em pé, e enquanto um metia em mim, os outros me cercavam de frente, me agarrando, suados, as rolas duras roçando em mim. Eu não sentia mais meu cu, eles falavam que estava todo aberto, só o oco. Então o Carlão gozou no meu cu, eu nem consegui conter a porra, saiu escorrendo. Leo aproveitou e gozou depois dentro e por último o Luiz, uma explosão de porra e uma cachoeira escorrendo pelas minhas pernas. Eu não conseguia andar, todo assado, eles me colocaram deitado numa espreguiçadeira e mandaram eu limpar as rolas deles. Lambi e deixei todas lustrando.

Eles riram e perguntaram se eu gostei. Falei que adorei, e era verdade. Já estava anoitecendo e chegamos a dormir um pouco na beira da piscina. De noite, Leo e Carlão foram embora e me deixaram só para o Luiz, que me comeu mais de madrugada e no domingo inteiro. Ficamos de marcar mais com os rapazes novamente.

TRANSANDO COM MEU AMIGO GARÇOM NA PRAIA DE BÚZIOS • SEXO COM GARÇOM



Meu amigo gostoso garçom em Buzios

Bom vou me apresentar sou baixinho, branquinho, saradinho, essa história aconteceu há algum tempo atrás, em Buzios.

Eu fui morar em Buzios e consegui trabalho de garçom, em um restaurante de frutos do mar, meu patrão me perguntou se conhecia mais alguém que pudesse trabalhar também no restaurante , e então eu lembrei do meu amigo Cláudio (nome fictício), e liguei para que ele viesse falar com meu chefe, o Cláudio é um cara branco, parrudo com tatuagem no braço e na virilha, que me deixa louco, perna grossa, bunda maravilhosa e voz grossa de homem.

Meu amigo quando chegou, alugou uma suíte na mesma rua que eu estava morando, e eu sempre tive maior tesão nele mas nunca rolou nada, então trabalhamos a primeira semana e correu tudo bem, na outra semana também trabalhamos e tudo de boa e conversávamos, às vezes entrava no assunto de mulheres e ele já tava na secura, sem fazer e eu já gostando.

No dia da nossa folga, fomos para a praia do canto, que ficava pertinho de casa, nós dois de sunga e camiseta e eu doido vendo ele e o volume mole marcado na sua garagem amarela, e o filho do rapaz da casa que eu morava pediu pra ir tbm e assim fomos, chegando na praia ficamos tomando umas cervejas e entramos na água, la tinha uma morena gostosa, bonitinha e começamos a conversar e tal, e ele falou: caralho estou ficando doido, com um tesão da porra.

Eu estava olhando para ele e ele estava de Pau duro, nossa quase tive um infarto, aquele pau grosso na sunga, e eu olhando e falei: caralho tá brabo aí o tesão, o pau parece que vai estourar kkkk, rimos e ele pegou no pau e falou olhando pra mulher. Eu to doido aqui, e nem posso pegar essa gostosa. Aí eu falei você não pode pegar ela, mas podemos dar um jeito nisso, e ele falou como? e eu, ué podemos ir pra casa e garanto que vc não vai se arrepender.

Ele ficou doido o pau não baixava por nada, então ele falou, vamos embora, não estou aguentando, e assim chamei o garoto que estava nadando e saímos . Eu e ele conversando e ele segurando a camisa para não mostrar o volume. A mão pra frente tentando cobrir o pau que não baixava kkkkk, fomos até em casa, ele de pau duro na rua e eu instigando, quando chegamos na frente da suite dele falei pro garoto, vai andando que já chego em casa vou conversar um assunto de trabalho com o Cláudio.

Assim que entramos em casa ele já saiu direto pro banheiro tirou a sunga e foi pro chuveiro e eu tirei a roupa e fiquei na porta, olhando aquele pau lindo branquinho rolisso, uns 19 cm grosso e cheguei perto, entrei no chuveiro me molhei junto e já rossei minha bunda e me virei de frente e fui beijando o peito e lambendo o peito, e fui descendo e comecei a mamar aquele pau, que estava babando mesmo na água, e ele agarrou na minha cabeça com carinho e alisando meu cabelo e descendo pelas costas até a minha bunda , e eu mamando ele.

E sugando a cabecinha do pau dele, ele não aguentou e falou vou gozar e jorrou muita porra na minha boca e bebi tudinho não deixei uma gota fora e ele falou caralho se soubesse que vc tinha essa boca teria te pego antes, terminamos o banho nos ensaboamos, eu passando nele o sabonete e ele em mim, e o pau dele foi crescendo e aí ele falou quero mais, quero esse cuzinho, eu me virei e ele abaixou um pouquinho , passou cuspe no pau e no meu cuzinho e foi encaixando a cabecinha bem devagar e foi passando mais cuspe e encaixando e doendo um pouco porque era bem grosso mas tava muito gostoso, e meteu até eu sentir o pau lá no fundo pulsando e ele foi socando e socando e me chamando de ouro safado, que cuzinho gostoso apertado, e socou em pé mesmo uns 10 minutos e falou caralho vou te encher com meu leitinho, e eu já estava quase gozando sem tocar no meu pau e ele deu mais duas socadas lá no fundo e senti o pau latejando e eu comecei a gozar também e apertar o pau dele com meu cuzinho, putz que foda maravilhosa, me lavei e fui pra casa e ele foi trocar de roupa e ia me esperar até eu passar pra irmos pro trabalho.

Assim fui em casa tomei outro banho me troquei e sai chegando lá na suite ele já estava todo gostosinho com aquela calça de garçom preta apertada e a camisa de mangas compridas branca e um volume gostoso, e me falou: há como já estou só de pensar em vc, o pau estourando na calça, eu agarrei abri o zíper e comecei a mamar novamente e mamei uma 5 minutos, baixei minha calça e subi de quatro na cama, e ele encaixou o pau novamente, no meu cuzinho que já estava lubrificado com a porra dele, e socou gostoso por uns 10 minutos e gozou novamente no fundo, me beijando e me chamando de puto, gostoso e eu gozei também, com ele fudendo meu rabinho, recompomos, e fomos trabalhar os dois com a maior cara de felicidade , esperando chegar a noite. Casa e começar outra foda gostosa , mas está vai ficar pro próximo conto foi um verão inteiro se muita foda.

terça-feira, 6 de agosto de 2019

O CASAL TREPANDO COM UM MENINÃO • CONTO ERÓTICO VERÍDICO



Sempre gostei de ser corno.

Tivemos um funcionário, um meninão de 18 anos, bem formado , que ajudava nós numa lanchonete.

Morávamos nos fundos , certo dia comecei a observar aquele menino , e já fiquei imaginando como seria ver ele comendo minha esposa .

Comentei com ela , que de cara disse que eu tava louco , pois era um menino que jamais , ai eu já vi que não ia rolar.

Um belo dia ela foi expiar ele no banheiro de casa .

Viu o taradinho cheirando a calcinha dela e batendo uma punheta !

Ai despertou um tesão louco dela para com ele, ela me disse :

Nossa amor ele tem tesão em mim , quero dar pra ele , mas quero judiar dele bastante antes, era o fetiche dela, dei a maior força .

Mas eu disse que nessa eu não participaria, pelo fato de ser um funcionário e poderia perder o respeito.

Começamos a bolar o plano.

Ela pediu pra Locar uns filmes de ação e chamar ele para assistir la em casa, jaque trabalhava até as 10 hs da noite.

Disse ela que o resto ela ia ver como seria, automaticamente ele dormiria la .

Deitei no tapete da sala , ele num sofá e ela em outro.

Eu realmente peguei no sono .

Ai ela me contou , que foi no quarto , vestiu uma camiseta que mal cobria sua bunda , deitou no sofá , fazendo conque a camiseta subisse e aparecesse a calcinha dela .

O menino nem assistia mais o filme , ficou vidrado nela .

Ela olhou pra ele , deu um sorrisinho safado ambos ,Como os sofá dela tava próximo ao o dele , ela levou a mão nas pernas dele e subiu,pegou no pau dele que estava batendo no umbigo de tão duro , ela tirou pra fora ajoelhou e mamou !

Ele todo apavorado olhava pra ela mamando e olhava pra mim ali do lado realmente dormindo .

Mamou nele até ele gozar na boca dela , ai ela disse que mandou ele ir embora .

No outro dia , ela pediu pra locar mais filme , ela dessa vez deitou no tapete ,estava de mini saia daqueles tecido finim rodada , mais tarde ela disse a ele :

Flavio tomei uma injeção na bunda e esta doendo , me faz uma massagem.
Realmente ela tinha tomado uma injeção , isso tudo na minha frente até eu fiquei surpreso, pois não era esse o plano !

O menino travou, me olhou , tipo querendo dizer , não sei de nada!

O silencio ficou no ar , ai a safada pediu de novo , eu entendi que ela queria brincar ,falei pra ele vai la pode ir , eu tremia de tesão , pensei vamos ver ate onde vai !

Ele ajuelhou e começou a massagear a bunda de minha esposa por cima da saia , ai ela disse :

Assim não , poe a mão por dentro !

Ele me olhou de novo sorrindo , tipo e agora ? falei pra ele , faz oque ela ta pedindo .

continua depois da publicidade

Ele levantou a saia dela , se deparou com fio dental enterrado na bundona dela !!

Começou a massagear a bunda dela , ai a safada começou a gemer , ele me olhava com um sorriso de menino ingenuo , todo alegre. Eu já com o pau estourando de tesão dentro das calças , pensei fomos até aqui , quero ver o final !

Dei sinal pra ele tirar a calcinha dela , o safadinho rapidim obedeceu !

tirou deixando ela só de blusinha .

Ele deve ter entendido o recado , ela virou de frente , ambos sorriram um pro outro , ele já se sentiu na liberdade , alisando a bocetinha da minha putinha , que não parava de gemer !

Ele baixou perto e chupou a bocetinha dela toda lisinha depilada , parecia ter experiencia , mas depois ele me disse que aquela era a primeira vez dele , imaginam o tesão do menino !

Ela mamou nele bastante , puxou ele pra cima dela , abriu bem as pernas ele já sentindo a vontade foi metendo nela com as pernas bem aberta , depois ela cruzou as pernas nas costa dele , nossa ela gemia de mais , deveria estar uma delicia aquele menino novo metendo nela !

Depois dele meter de frente por 25 minutos sem gozar , ela ficou de 4 posição predileta dela , olhou bem pra mim e disse :

Olha corno se não queria ver um novinho metendo na sua putinha !!
Ela virou pra ele e disse vai mete gostoso ,mata sua vontade menino , pensa que eu não vi você cheirando minha calcinha e batendo uma punheta no banheiro ! agora mata sua vontade e mete pro corno ver !

O menino com um belo sorriso me olhava e metia nela feliz da vida , ele não dizia nada ,só metia e com aquele sorriso de agradecimento pela situação .

Gozou muito na bucetinha dela , mas o pau não baixou não !

Ela pediu pra ele deitar e foi por cima dele , ficou esfregando num vai e vem na pica do menino , nessa hora eu não resisti segurei no pau dele e encaixei na bucetinha dela , que delicia tava duro de mais batendo no umbigo !

Aquele menino , meteu nela de 10 hs da noite até 01 da manha .

Eu bati umas 4 punhetas .

La pela 4 hs da manha acordei com os gemidos dela , abri o olho e la estava ela de 4 e ele metendo gostoso de novo , não resisti e dei o pau pra ela chupar , gozei na boca dela .

Moramos nessa cidade um bom tempo

TREPADA GERAL DE UM CASAL COM UMA TRAVESTI • NEGÃO, CASAL E TRAVECO



Eu me chamo Tonho, minha esposa Adriana. A gente tem 10 anos de casamento, já fizemos sexo com uma amiga gostosa da minha mulher, a Paula. Lembro que a gente encheu a cara na praia, depois fomos pra casa e minha esposa fez a proposta, a amiga topou e eu acabei comendo as duas.

Chupei a buceta gostosa da amiga da minha mulher e fiquei louco de tesão querendo repetir a dose. Depois de uns vídeos pornô, fiquei com vontade de experimentar um travesti. Meu Fetiche era ver minha mulher ser comida e depois comer as duas, mas eu teria que convencer ela.

Depois de muito insistir a gente foi num site de acompanhantes e encontramos a Valentina, uma loira linda, alta, olhos verdes, rostinho de boneca, uma trans perfeita para a iniciação da minha mulher.

Marcamos horário com ela num motel bem chique, ela chegou usando um vestido preto bem justinho, um perfume bem gostoso e uma make linda de batom vermelho. Eu na hora senti tesão por ela, foi uma química gostosa.

Valentina fez a gente ficar a vontade e colocou uma música, pegamos bebidas no frigobar e começamos a conversar. Teve uma hora que fui tomar um banho e quando voltei, já peguei ela e minha mulher trocando beijos e carícias bem safadas, com a Valentina já de pau duro pelo vestido.

Isso me deixou cheio de tesão, fiquei ereto na hora, eu fiquei um tempo assistindo às duas e logo depois elas me viram e chamaram com o dedinho pra eu me aproximar. Assim que me aproximei beijei uma, depois beijei outra. Fiquei no meio das duas, começamos a nos despir e disse que queria ficar olhando um pouco.

Sentei na poltrona do motel e vi os amassos das safadas, minha mulher tava bem a vontade, super molhadinha enquanto a Val masturbava ela e chupava seus seios enormes.

Eu comecei a tocar uma punheta com essa cena, A Val chupou minha mulher, fez ela ficar louca, se contorcer inteira e logo em seguida recebeu um boquete bem gostoso também e gemeu igual uma putinha.

A trans arreganhou minha mulher na cama e começou a meter na sua buceta gostosa. Minha esposa prendia ela com as pernas e gemia feito louca pedindo pra ela meter mais fundo.

A safada colocou minha mulher de quatro, começou a comer gostoso a buceta dela, depois meteu no cuzinho. Nessa hora eu não aguentei mais e enquanto a Val tava fodendo minha mulher, eu subi atrás dela, fui encaixando minha pica no cuzinho dela e meti gostoso, foi o maior sanduiche de pica.

Minha esposa gemia gostoso e a Valentina também, fiquei bombando gostosinho no cuzinho dela, a safada pedindo mais, gemendo bem putinha, logo ela gozou gostoso e fez minha mulher gozar quase junto com ela.

Eu continuei comendo a Valentina de quatro enquanto beijava a boca da minha esposa, foi uma delícia, ela ali toda arreganhada com vontade de dar esse cu pra mim, dei umas bombadas gostosas, não aguentei e gozei no cu da safada.

Foi uma experiência gostosa, recebi um boquete delicioso da safada e foi o melhor até hoje. Depois dessa Eu e minha mulher viramos viciados em travestis.

SEXO GOSTO E INTER-RACIAL COM O DENTISTA



Sou uma pessoa bastante descomplicada. Gosto de sentir e dar prazer não importa se a homens ou a mulheres, o importante é sexo. Tenho 1.78, 72 kg e 21 cm de rola,sou negro, tenho 23 anos, um porte físico bem interessante, pois faço natação e academia. Passei uma semana ruim, pois meu dente estava furado e por conta disse estava sentindo um pouco de dor. Resolvi ir ao dentista, mas como estava sem disposição de marcar consulta resolvi ir a um daqueles dentistas de bairro, “os açougueiros” como diziam meus amigos. Era fim de tarde, pensei de não encontrar ninguém, mas tentei assim mesmo, pois passar fim de semana sentindo dor não é nada agradável.

Fui atendido por uma senhora gorda que logo pediu que eu entrasse, o doutor estaria comigo logo em seguida. Fiquei pensando naquela espelunca de consultório, o dentista devia ser um daqueles velhos fracassados. Fiquei pasmo quando um garoto entrou e perguntou qual era meu problema. Relatei sobre a dor e ele pediu que abrisse bastante minha boca. Fiquei ali de boca aberta e ele me examinado. “É um dente cariado”, disse. Ele começou a trabalhar em minha, como a posição não estava muito boa ele abaixou um pouco mais a cadeira. Eu agora estava não mais sentado e sim quase deitado na cadeira do dentista. Ele passava de um lado para o outro e de vez em quando roçava seu pau em meus ombros, pedindo sempre desculpa. Pelo fato de ser negro nunca pensei que um branco fosse bom de cama, por isso nunca havia tentado nada inter-racial. Quando ele terminou disse que eu poderia mastigar sem problema e que marcasse uma consulta, pois eu teria que possivelmente fazer canal no dente. Eu pergunte com a maior cara de pau: “E chupar, posso também?”. “Depende do que você vai chupar, não aconselho nada muito gelado...”, respondeu. “Refiro-me a algo quente, como aquilo que estava tocando meus ombros, tava muito gostoso, fiquei imaginando na minha boca.” Ele pediu que eu aguardasse e saiu um momento, voltando em seguida. ”Pronto, onde estávamos?”. Foi logo abrindo o zíper da calça deixando à mostra um belo volume. Seu pau era quase do tamanho do meu, um pouco menor, mas um pouco mais grosso.Aproximou-se de mim e colocou minhas mãos sobre sua cueca. Depois tirou a cueca e exibiu um lindo pau com uma cabeça bem vermelha, parecia um morango. Não resisti e cai de boca, chupava com dificuldade, efeito da anestesia. Não estava sentindo muito prazer físico, mas psicologicamente sim. Que delícia de pau. Ele tirou toda a roupa e eu tirei a minha também. Ele se aproximou outra vez de mim e dessa vez cai de boca em meu pau. Nossa! Que boca quente aquele, que talento. Resolvemos fazer um 69. Ficamos assim por algum tempo. Ele passou a língua em minha bunda. Era uma sensação deliciosa. Perguntou se eu tinha preservativo. Abri minha carteira peguei. Seu mastro estava duro como ferro e o meu Tb. Ele me conduziu a sua cadeira, dessa vez para colocar outro tipo de ferro em outra boca, minha bunda. Fiquei de frango assado e ele foi metendo, em princípio bem devagar, e depois dando estocadas cada vez mais fortes. Eu fui ao delírio, meu dente careado havia me dado um foda e tanto. Ficou metendo em mim por uns 30 minutos, era insaciável o cara e que fogo. Quando terminou perguntou se eu curtia comer também, pois era versátil. Eu apenas peguei a camisinha e comecei a colocar no meu pau. Ele ficou de quatro e eu fui penetrando como um cavalo penetra uma égua. Meu dentista era o encaixe perfeito, era um belo conjunto: pau gostoso, boca quente e bunda bem receptiva e gulosa. Penetrei aquele homem como se fosse a minha última foda, como se fosse morrer logo em seguida. Era uma delícia sentir ele apertando o cu a cada estocada. Coloquei-o na posição de frango assado e penetrei olhando em seus olhos. Meti tudo. Quando estava tudo enfiado dei-lhe um selinho, não sabia se ele curtia beijo, mas ele me agarrou pelo pescoço e deu-me um beijo de língua. Era o ápice da foda. Gozei como louco, aliás, gozamos como loucos. Limpamos-nos e eu disse que marcaria outra consulta. Ele pediu que eu voltasse se possível sempre ao final do dia, pois como naquele dia ele poderia dispensar a sua secretaria e teria tempo pra um trato especial. E que trato. Acabei me tornando cliente fixo e vip do consultório de dentista do bairro. Gosto de ir ao “açougue” buscar e levar lingüiça, ovos e ainda beber leite e dar leitinho quente.

sexta-feira, 26 de julho de 2019

BANHO COM TIO MARCÃO • O TITIO COMEU MEU CU



Quando eu fiz meus doze anos, acabei sem querer entrando na putaria. Eu acabei acordando de madrugada e desci do meu quarto até sala para assistir televisão, mas para minha surpresa, meu pai já estava lá.

A cena que eu vi me marcou até hoje: meu pai, um homem grandão, estava deitadaono sofá, nu, com sua barriga grande peluda apontada para cima, assim como seu pau muito grande e grosso. Suas bolas pareciam a de um touro, e ele manipulava o membro soltando gemidos graves de prazer. Fiquei embasbacado com a cena, e como meu pai não me notou, fiquei o admirando até ele soltar muitos jatos de seu pau. Como era inocente na época pensei que fosse leite, mas o fato é que aquela cena me causou uma sensação que eu nunca havia sentido antes: meu pintinho estava duro e pulsando.

O tempo passou e eu tentei começar a descobrir uma maneira de imitar meu pai. Meu pintinho ainda não era muito grande pra me masturbar, e a pelinha ainda não havia descoberto a cabeça. Mas eu fazia questão de deixar o meu pinto duro para poder ter a sensação gostosa, e a cena do meu pai batendo punheta sempre vinha a minha mente.

Certa vez quando eu liguei a TV de madrugada, no canal de sexo, descobri que o que meu pai estava fazendo, e oq eu queria fazer também, se chamava punheta, mas eu ainda não sabia tocar.

Minha casa fica num condomínio, e um certo dia eu resolvi brincar no quintal, e corri até a frente da casa do Marcão. Ele estava sentado na calçada atoa, só olhando a paisagem do condomínio. Só usava uma bermuda Tactel.

O físico do Marcão era um pouco parecido com o do meu pai, ele era grande, gordo, com uma barriga bem dura, bastante peludo e careca, mas ele era maior e mais velho que meu pai. Fui até ele comprimenta-lo:

— Oi tio Marcão, oq vc está fazendo?

— Olá rapazinho, só apreciando a paisagem. E você está brincando?

— Sim! — respondi.

Observei bem o Carlão e ele estava bastante suado, com o corpo todo molhado. Sua bermuda estava molhada e marcando seu pênis, que mesmo mole, parecia ser enorme. Suas bolas também estavam muito marcadas, e pareciam como as de um touro.

Aquilo me fascinou.

— Está muito calor, vou tomar um banho. — ele disse, então entrou em sua casa e fui para o banheiro.

Como ele deixou a porta aberta, eu o segui, e a esta altura o meu pinto já estava mais duro que nunca, cheio de curiosidade e tesão. Por um momento eu hesitei, por vergonha, mas então decidi ir até o banheiro, e lá eu vi o Marcão, tirando seu short:

Seu membro realmente era enorme, grosso, muito peludo e estava balançava junto com suas bolas.

Quando ele me viu, levou um susto por um momento:

— Lucas, o que você está fazendo aqui? — perguntou ele meio assutado.

Eu, inocentemente, tirei meu pintinho para fora do short e perguntei:

— Tio Marcão, você poderia me ensinar a tocar punheta?

— O que, como assim menino tá doido?

Então comecei a manipular meu pinto com meus dedos. Fui até perto dele e mostrei pra ele:

— É assim que se faz?

O rosto dele, que antes parecia meio espantado, agora tinha uma expressão de compreensão, como se ele estivesse achando normal minha curiosidade.

— Mais ou menos — ele respondeu — O seu pinto vai ficar maior um dia, aí vc vai poder bater muito. Sua cabecinha vai sair pra fora também?

— A sua sai? — eu perguntei.

— Sai.

Então, por curiosidade, eu segurei o pintão dele, que mal cabia na minha mão. Por um momento ele hesitou, mas então deixou. Puxei a pele para trás, e então vi sua cabeça, grande e rosa. Meu pinto naquele momento parecia que ia explodir de tanto tesão. Percebi que o pau do Marcão também começava a pulsar na minha mão, e a cada vez ficava maior. Ele não falou nada, apenas deixou, e eu quase levei um susto com o tamanho que o pau dele havia ficado.

Foi um dos melhores momentos da minha vida, estar segurando o pau grande grosso de um homem como aquele. Como já havia visto alguns pornos, abaixei, e comecei a mamar seu pauzao, ele urrou de prazer.

Segurou minha cabeça e começou a fazer carinho nos meus cabelos.

— Novinho e ja bem safado desse jeito hã? —ele disse.

Continuei mamando, o gosto era salgado e o cheio grotesco, mas eu estava gostando, até que o Marcão urrou muito alto e soltou uns jatos na minha boca. Quando tirei da boca eu vi a baba ecorrrendo da cabeça de seu pau.

— O que é isso que sai do seu pinto?

— É meu leitinho — ele disse — você gostou?

Eu balancei a cabeça que sim. Ele sorriu, e me fez jurar segredo, então me mandou ir embora.

Essa foi minha primeira das minhas experiências sexuais, e logo mais eu teria muitas delas.